sexta-feira, 4 de março de 2011

Despedidas.

Era o baile mais popular da cidade e aquele jovem não tinha certeza se deveria ir.
Ainda havia dor no peito ferido recentemente em batalha.
Sentia que algo de ruim poderia acontecer e resolveu por ficar em casa.
Na manhã seguinte ao baile chega uma mensagem trazida às pressas por um pequeno mensageiro.
Nela haviam os seguintes dizeres:
"Ontem, no fim do baile ocorreu um acidente com a nossa pequenina Mirela. Ela chamou o seu nome a noite inteira, creio que por conta dos delírios. Ela está em casa de repouso. Gostaríamos, eu e a Marly, que viesse visitar a nossa pequenina. Um abraço saudoso, Joaquim."
Aquela mensagem chegara como um desfecho a um baile o qual ele por vezes pensara que deveria ir para proteger a sua amada, e por outras tantas vezes ele não gostaria de ir para não se machucar mais.
Então o jovem Luís pôs-se a pensar no que deveria fazer.
Seu peito já doía antes de tanto magoado, e agora mais ainda por ver correr riscos a doce Mirela.
Nos primeiros instantes ele sentou-se na beira da cama em que tanto se amaram e chorou.
Olhava ao redor e sentia o cheiro ainda vivo naquele recinto.
O calor ainda cercava sua alma.
No entanto, Luís ainda sentia uma dor muito forte quando lembrara-se dos últimos instantes com a jovem amada. Foram momentos lindos terminados com frases sórdidas.
Amaram-se intensamente em uma fuga matutina, olhavam-se nos olhos e declamavam todo o amor que existia neles, horas depois, o amor parecia ter sumido dos olhares da Mirela e isso o incomodava bastante,  ainda magoava!
Por alguns minutos ele continuou sentado, imóvel na beira da cama.
Então decidiu partir, a viagem seria longa até os braços da sua amada. Fora se arrumar e correr até o porto atrás de embarcações disponíveis para levá-lo até o outro lado da baía.
Cada minuto era mais angustiante. Ele sentia um aperto forte no peito e tentava apressar-se.
Quando conseguiu, duas horas depois, chegar a casa da Mirela, fora recebido com lágrimas por uma das suas irmãs, aquela que menos gostava dele.
Abraçou-a e lhe disse as seguintes palavras:
"Amanda, esqueçamos o passado, não guardo rancor, aliás, nunca o tive por ti. Sempre estarei por perto, mesmo o mais longe que estiver, para poder te ajudar."
Amanda parou olhando-o e sem dizer nenhuma palavra, apenas com lágrimas correndo à face apontou onde deveria estar Mirela.
Luís correu ao aposento e ao entrar encontrou Joaquim e Marly, sentados em uma poltrona junto ao leito onde sua amada parecia descansar.
Aproximou-se, os beijou na testa e pediu que os deixassem a sós.
Joaquim sentiu-se na obrigação de sair enquanto Marly chorava compulsivamente. Encostaram a porta e esperaram.

"Mi, demorei a chegar pois ainda está uma confusão danada na rua por conta do baile, mas cá estou eu. Vim o mais rápido que pude para poder atender o seu chamado."
A linda Mirela de cabelos longos e cacheados abriu os olhos lentamente, e sem conseguir dizer muitas palavras olhou-o nos olhos e sorriu.

Com muito esforço ela segurou a mão do Luís e disse.
"Eu sabia que estaria comigo. Eu te amo e não suporto a dor de te perder!"
Respirou fundo e fechou novamente os olhos.
O jovem Luís deitou-se ao seu lado como havia feito tantas outras vezes, puxou-a para cima do seu peito e começou a carinhá-la.
"Não sairei do teu lado até que se levante. Não preciso de comida, não preciso de água, nem do sol nem da lua, as estrelas que brilhem sem que eu precise as observar, pois é apenas do teu lado onde eu consigo sonhar. Te espero anjo meu. Estarei aqui quando acordar."
Mirela soltou um riso lindo, um último suspiro e partiu.
Luís ficou ali, deitado por horas, não chorava, não sentia, não pensava!
Ao longo do dia foram inúmeras visitas e o jovem ficou deitado na mesma posição até o fim.
No dia seguinte pela manhã, após a última despedida, o jovem Luís após receber muito carinho de todos que estavam por perto saiu a caminhar pelo belo gramado verde onde a sua amada agora descansava.
Achou uma única árvore, uma única sombra e sentou-se.
Nos olhos corriam as lágrimas de uma criança. No peito doía uma dor que não sabia identificar. Era demais para ele. Até que num piscar de olhos, num soprar mais forte daquelas brisas. Despenca da árvore um pássaro, um filhote de pássaro, havia caído do ninho bem em frente aos olhos encharcados de Luís.
Ele pegou-o nas mãos e escalou a árvore, ao encontrar o ninho viu que era um filhote único, seus pais estavam observando-o de um galho mais acima. Luís o colocou novamente no ninho e desceu sorrindo.
Era a vida a renovar-se. Entre tantas dores haveriam de existir recompensas e lembrou-se que no fim fora ele quem Mirela havia chamado, e no peito dele que ela havia partido com segurança.
O jovem Luís não voltou a amar novamente. Não precisava.
Bastava fechar os olhos que ela aparecia, sorrindo e agradecendo.
E nos sonhos:
"Meu amor, eu te amarei eternamente, eu te amarei até não poder mais amar. Obrigado por sempre voltar a me alegrar, viverei intensamente até o dia de encontrar-te novamente." 

7 comentários:

  1. Boa tarde :) adorei o texto, faz a gente pensar que quando um amor é verdadeiro, não importa o que aconteça, ele sempre vai estar la, nem que bem no fundo, mas estara sempre com a gente.

    http://pensoelogofalo.zip.net

    ResponderExcluir
  2. Você devia entrar no msn né ? kk

    ResponderExcluir
  3. Ah, e o texto me lembrou Romeu e Julieta, nem é tão parecido mas eu lembrei kk Linda história.

    ResponderExcluir
  4. Eu ja te tenho lá, so quero que vc entre kk nunca vi duas pessoas tão complicadas pra se falarem como nós dois. bj.

    ResponderExcluir
  5. É, eu sei que é difícil, mas é isso aí, nunca esperei moleza da vida mesmo :)
    Mas e aí, me fala sobre você... Em que estava pensando ao escrever uma preciosidade dessas?
    Ficou muito bom o texto, e ficou tocante... Forte e sincero, como tudo que você escreve.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. nossa.. então tivemos uma identificação recíproca.
    Pq a inconstância que você achou parecida, eu achei aqui nas suas palavras...

    li como se fosse um texto meu.
    Seu blog é mágico!
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Oi... Mais uma vez, só tenho comentários positivos para seu texto. Adorei este de uma forma especial. Gostei do jeito com que conta cada detalhe de uma forma tão... tão tua. Mas tão tu que eu nem sei explicar.

    O Blog tá cada vez melhor.
    Muitos beijos...

    devaneiosdeumamenteadolescente.blogspot.com

    ResponderExcluir

PAPOS E SUPAPOS

Mi Papos y Su papos!

Popular Posts